terça-feira, 5 de outubro de 2010





A Despedida


Estado conturbado na minha alma
Vontade de chorar
Sua credibilidade jogada de lado por motivos fúteis não me permite pensar no amanhã.
O que eu fiz?
Confiei e dei abrigo.
Abri as portas do coração.
Expressou uma grande vontade de amar.
Amou?
Uma lágrima cai.
Fui boba.
Mostrou-me ser tão sincero.
Mentira!
Partiu sem dar explicações.
Um adeus, não ouvi.
Infeliz mente amo.
Sofro!
Faço dessa lágrima um doce remédio para uma cura tardia.




(Texto dedicado a Camila Aguiar)

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. tudo,esse simplismente diz tudo!

    thaty

    ResponderExcluir
  3. obrigada.

    Camila Aguiar

    ResponderExcluir
  4. Todo dia começa com uma despedida....

    já reparou?

    obriga por me dedicar o texto...
    ^^

    ResponderExcluir